« Página principal | Salão Internacional de Projectos, Sistemas e Equip... » | A factura da energia » | Grande Porto previne fogos » | Feira de Produtos e Serviços da Qualidade » | Aumentar ciclovias e zonas pedonais » | Incêndios florestais ainda por prevenir » | The Earth is about to catch a morbid fever that ma... » | Governo Aposta na Promoção da Educação Ambiental » | Portugal em 11º entre 133 países em performance am... » | Galheteiros descartáveis "são retrocesso ambiental... » 

10 março 2006 

Rede de metro deu "lucro" de 63 milhões ao ambiente

Estudo indica que vantagens sociais e ambientais do sistema totalizarão três biliões de euros no ano de 2030. Documento diz ainda que bilhete andante poupou a vida a 487 árvores

Hugo Silva

O título Andante, pela sua vertente reutilizável, poupou a vida a 487 árvores e evitou a utilização de 40 mil litros de água, que serviriam para fazer mais papel para bilhetes. O metro já economizou dois milhões de horas nas deslocações casas/trabalho, fez com que 2500 veículos deixassem de estacionar, diariamente, no centro do Porto, e evitou a emissão de 11 mil milhões de partículas poluentes, provenientes da circulação rodoviária. Trocado por números um estudo elaborado pela empresa TIS sustenta que os benefícios sociais e ambientais do metro do Porto já ascendiam, a meio do ano passado, a quase 63 milhões de euros. E que no ano de 2030 esse montante atingirá os três biliões de euros.

Um cálculo efectuado "sem contar ainda o efeito das linhas previstas para a segunda fase [Gondomar, segundas linhas da Maia e de Gaia e extensão a Leça da Palmeira]", indica o documento, que reduz a euros as vantagens da circulação do metro.

Dos ganhos de tempo nos percursos casa/emprego à poupança de energia. Da diminuição de automóveis e de acidentes rodoviários à menor poluição sonora. Tudo foi traduzido em vantagens económicas, partindo do número de utentes que o metro roubou (e vai roubando) aos transportes colectivo e individual.

Exemplo por cada minuto ganho nas deslocações foi atribuído um valor (3,5 cêntimos para quem andava de tranporte público; 10,5 cêntimos para quem andava de transporte individual), de acordo com os indicadores de vencimento trabalho/hora. Contas feitas: a poupança nos trajectos já implicou um ganho financeiro de 33 milhões de euros. Em 2030? Diz o estudo que serão mais de 768 mil milhões...

A diminuição da emissão de gases poluentes e a poupança no consumo energético, principalmente graças à conquista de passageiros ao transporte individual, também tem repercussões monetárias favoráveis seis milhões de euros. Em 2030? Diz o estudo que serão mais de 102 mil milhões...

Além de contabilizar, ainda, os benefícios com a redução da poluição sonora (seis milhões de euros), da circulação rodoviária e do número de acidentes (7,5 milhões de euros), o estudo antecipa que as próprias operadoras de transportes públicos rodoviários vão colher benefícios da operação do metro do Porto. Como? "Mesmo sem ser possível antever acções de gestão tomadas ou perspectivadas pelas operadoras rodoviárias, estima-se uma considerável diminuição dos custos de operação [menos material, menos fornecimentos e menos serviços externos] das suas frotas da transportes públicos, por efeito da menor oferta necessária docorrente da perda de clientes para a Metro do Porto", diz o estudo. E lá vem a calculadora indicar que essa redução de custos já chegou aos 8,5 milhões. Em 2030? Serão 450 milhões de euros, garante o estudo.

2500 veículos
terão já deixado de estacionar, diariamente, no centro da cidade do Porto, por causa da circulação das composições do metro, de acordo com os cálculos apresentados no estudo elaborado pela empresa TIS.

11 mil milhões
de partículas poluentes não terão sido lançadas para o ar, por causa da circulação do metro e consequente conquista de passageiros aos transportes rodoviários colectivos e individuais, indica o estudo.

Período do estudo
Os benefícios que o metro já acarretou dizem respeito ao período entre o início da operação comercial (Janeiro de 2003) e o final do primeiro semestre de 2005. O estudo indica, também, uma previsão para os mesmos números, tendo em conta o ano de 2030 (após 27 anos de operação comercial)

Vantagens crescentes
O estudo prevê que os benefícios sociais e ambientais do metro do Porto serão crescentes. E a um ritmo considerável. Se no primeiro ano de operação, as vantagens financeiras eram de seis milhões de euros, em 2030 o montante será de quase 185 milhões.

Transportes
O estudo afiança que, em 2030, os benefícios relativos aos ganhos de tempo nas deslocações totalizarão 768 milhões de euros. Um número que resulta da soma das parcelas relativas à conquista de passageiros ao transporte colectivo (282,6 milhões) e ao transporte individual (485,4 milhões).

Estudo na internet
As principais conclusões do estudo efectuado pela TIS aos benefícios sociais e ambientais do metro podem ser consultadas na página da internet da Empresa do Metro do Porto www.metrodoporto.pt .

http://jn.sapo.pt/2006/03/06/grande_porto/rede_metro_lucro_63_milhoes_ambiente.html

Acerca da Cimeira

  • CIMEIRA do AMBIENTE, SEGURANÇA e QUALIDADE
  • 18-20 de Maio de 2006
  • EXPONOR - Feira Internacional do Porto
Powered by Blogger
e Blogger Templates